Alerta do cinema com o padrão de beleza

No mundo atual onde as pessoas tão em busca do padrão de beleza completamente destorcido pela mídia o diretor  Eduardo Chapero-Jackson explora de modo inteligente o tema delicado que é  o tema dos distúrbios  alimentares através do curta metragem Contracuerpo de 2005, o qual vou por aqui.

Eu assisti o filme na sexta fase da minha faculdade e me marcou muito e resolvi compartilhar com vocês como um alerta.

Fernanda Nunes.

Cosmópolis (Filme)

Poster-do-filme-Cosmopolis

Cosmópolis filme adaptado do romance homônimo do norte-americano Don Delillo que conta através de diálogos densos e muitas vezes complexos o ultimo dia da vida do jovem multimilionário Eric Michael Packer.

Em pouco mais de uma hora o filme retrata com muita fidelidade a história do romance, falando de uma forma muito particular a crise econômica mundial do século XXI.

A história gira em torno de Eric que em certo dia de abril decide atravessar a cidade de Nova York em sua limusine branca para cortar o cabelo com o barbeiro que era amigo de seu pai, mas essa tarefa aparentemente simples se torna muito difícil por conta de muitos acontecimentos que vão desde a presença do presidente na cidade até a morte de um famoso cantor de rap, simultaneamente a isso dentro do carro, ou seja, seu próprio mundo Packer recebe amigos, inimigos, amantes, vê sua fortuna escapar entre seus dedos e por não entender o que significa sua próstata ser assimétrica vai ao encontro de sua própria morte.

Com um ótimo elenco liderado por Robert Pattison que nesse filme prova ser muito mais que vampiro romântico que brilha dando vida a um personagem, que aparece em todas as cenas, frio e calculista que não mede esforços para ter o que quer não importando o preço, desconfia de tudo e de todos e mantém uma relação muito estranha com sua mulher Eliza que quase não vê e com quem ele se casou para unir fortuna, o único que o conhece verdadeiramente é o barbeiro e depois de longa conversa com ele vai atrás do inimigo que está querendo mata-lo.

Mais uma vez grande direção do canadense David Cronenberg que consegue tirar o melhor de sua equipe e nesse filme especial o mesmo também escreveu um excelente roteiro que diz muito do livro, a única coisa que a meu ver poderia ter sido um pouquinho melhor trabalhada é a edição, pois os cortes entre uma cena e outra estão um pouco bruscos.

Com relação à divulgação e distribuição do filme aqui no Brasil feita pela Imagens Filmes pode ser classificada de ruim pra péssima, é perfeitamente compreensível que seja um filme indi e por conta disso o numero de cópias seja menor, mas um filme com Robert Pattinson e com a direção do Cronenberg com certeza teria excelente procura, mas infelizmente houve cidades que o filme se quer chegou.

Cosmópolis é um filme excelente que recomendo, mas quero deixar claro que precisa ser assistido com o máximo de atenção e é imprescindível ter a mente aberta para “ o diferente”, ou seja, é pra poucos.

Fernanda Nunes.

Bel Ami – O Sedutor

Este filme é baseado no romance do escritor Francês Guy de Maupassant e conta com um elenco com nomes de peso como Robert Pattinson, Uma Thurman, Christina Ricci e Kristin Scott Thomas, na interpretação do quarteto principal da história e é dirigido por Declan Donnellan e Nick Ormerod.

Eu tive a oportunidade de ver esse filme antes mesmo do seu lançamento nacional, dia 3 de agosto desse ano, por conta de falhas da sua distribuidora, sobre a qual falarei mais a frente ainda neste post, mas, voltando ao filme eu o considero mediano, pois, peca muito em seu roteiro, entendo que não há meios de se manter fidelidade total a obra original, mas eu também li o romance, que recomendo, é ótimo, e para mim faltou momentos cruciais nessa adaptação para que ela, ao me ver, pudesse ser entendida em sua totalidade por quem viu o filme e não leu a obra, pois, a falta de algumas dessas partes deixou algumas passagens do filme sem sentido e sem qualquer ligação com a continuação do mesmo, outra falha no roteiro é a má distribuição do tempo entre as duas fase da história sendo a 1ª muito longa e a 2ª muito corrida.

Mas também a pontos positivos o figurino é belíssimo e bem apropriado ao ambiente em que história se passa, Paris do século XIX, belas imagens externas e as ótimas atuações de Cristina Ricci, dando um charme todo especial a Clotilde, e Robert Pattinson, que apesar de sua atuação não chegar a ser brilhante eu a consideraria surpreendente pois, conseguiu muito bem capturar a essência de seu personagem, mas ele poderia ter se destacado muito mais se no roteiro estivessem presentes passagens cômicas de seu personagem Geoge Duroy, pois este lado cômico também é bastante presente na personalidade do ator.

Sobre a distribuição do filme aqui no Brasil, apesar de ser um filme indi, pra mim ocorreram falhas grandes, 1ª as varias mudanças na data de seu lançamento, o que fez com que muitas pessoas, nas quais eu me incluo, conseguissem ver o filme pela internet e a 2ª e, na minha opinião, principal falha, é que filme foi lançando, mas não chegou a todos os cinemas nacionais o que prejudica sensivelmente sua bilheteria e hoje quase um mês depois de seu lançamento oficial infelizmente o filme ainda não chegou a todos os cinemas.

Esse filme é legal para se ver em uma tarde chorosa para relaxar.

Fernanda Nunes.